Boate Pulse foi alvo de ataque na madrugada deste domingo (Foto: Reprodução/TV Globo)
Boate era a segunda maior de Orlando.
Foto: Divulgação
Na madrugada deste domingo(12), por volta das 3 horas (horário de Brasília), uma boate destinada ao público LGBT em Orlando no estado da Flórida foi atacada por um terrorista armado que matou cerca de 50 pessoas que estavam no interior do local. A polícia americana foi acionada e matou o suspeito de praticar os assassinatos. O chefe de polícia, John Mina afirmou que ao entrarem na boate se deparam com um cenário desolador: “Depois que verificamos que não havia mais explosivos, conseguimos entrar e ver que o número de mortos era muito maior do que o que pensávamos”. Durante a tarde, foram chegando as primeiras informações acerca do terrorista que conforme o FBI (Polícia Federal dos E.U.A) é de nacionalidade americana e possuía 29 anos de idade. O ato teve autoria revindicada pelo grupo Estado Islâmico, mas as autoridades acreditam que a organização está mentindo e a ação foi isolada. O ataque terrorista foi o segundo maior da história dos Estados Unidos, ficando atrás somente dos 11 de setembro de 2001. As investigações vão ficar sob responsabilidade do FBI e todo o policiamento dentro dos Estados Unidos segue reforçado. 
O Desespero das Vítimas

O terrorista entrou dentro da boate por volta das 2:02 (horário de Orlando) e já começou a atirar nos frequentadores que correram desesperados para as saídas de emergências numa tentativa de salvar as suas vidas. Os responsáveis pela Boate publicaram em sua página oficial no Facebook um pedido para que todos deixassem o local, já que as instalações são amplas e com vários salões. Os frequentadores que estavam em outro salão, só perceberam o que estava acontecendo quando viram a multidão correndo para as saídas. 
Mensagem publicada no Facebook pedia que todos saíssem do local. (Tradução Livre para o Português)
O senhor Ricardo J. Negron Almodovar estava presente no momento em que o atirador entrou na boate, ele relatou os momentos de terror à reportagem do Up! News.


Ricardo  Almodovar 
  Foto: Facebook/Arquivo Pessoal

“Eu estava lá. Shooter abriram fogo em torno de 2:00 am. As pessoas na pista de dança e bar tem no chão e alguns de nós que estavam perto do bar e volta de saída conseguiram sair pela área ao ar livre e apenas correu. Estou em segurança para casa e esperando todo mundo fica em casa com segurança, bem.”


Um ato de Preconceito

Até o início da tarde os jornalista e autoridades acreditavam que o atentado não tinha relações direitas com homofobia, já que o Estado Islâmico seria o suposto autor do ataque. Por volta das 16 horas (horário de brasília) o FBI divulgou a identidade do terrorista que é americano. O pai dele afirmou em entrevista que seu filho era homofóbico e que ele começou a ter comportamentos estranhos e agressivos após ter presenciado um beijo de um canal homoafetivo.  
Grupo lamenta ataque a boate em Orlando (Foto: Steve Nesius/Reuters)
Grupo lamenta após ataque na Boate LGBT.
Foto: Steve Nesius/Reuters
Os Estados Unidos possuem uma legislação duro no que diz respeito ao preconceito contra as minorias. Casos de violência contra homossexuais são raros em território norte americano. O presidente Barack Obama afirmou que irá destinar todos os recursos para amparar as vítimas e agilizar as investigações.
O Mundo está de Luto

Os atentados tiveram repercussão mundial, grupos LGBT se dizem transtornados com os fatos que aconteceram na madrugada deste domingo. No Brasil, o presidente interino Michel Temer expressou sua solidariedade as vítimas por meio de sua conta oficial no Twitter. Os candidatos a presidência dos Estados Unidos, Trump e Hillary, afirmaram estarem em estado de choque e se solidarizaram com todos os americanos.
Até quando?

A violência contra as minorias se fazem frequentes em todo o mundo. Todos os dias, seres humanos são agredidos por sua maneira de amar e enxergar o mundo o que coloca em evidência uma real necessidade de revisão de valores que infelizmente estão enraizados em uma sociedade machista. No Brasil, a história não é diferente e existem casos de homens e mulheres que perderam sua vida vitimas de homofobia. Esperamos e colocamos a nossa solidariedade com todos aqueles que são vítimas deste preconceito injusto que é com certeza uma atentado contra a liberdade e a vida.