As religiões servem para nos unir, e não para separar!

                                                                                                                                                        Foto: Unicap.br

           Entendemos por intolerância religiosa toda atitude ofensiva a diferentes crenças e religiões. Vale ressaltar que crítica não é o mesmo que intolerância, uma vez que a primeira está expondo suas ideias sem agredir ao outro, e a segunda é tão grave que pode até virar perseguição. Infelizmente esse ato se faz presente em nosso país. 
          O Brasil é um Estado Laico, onde não é declarada nenhuma religião oficial. Além do mais, a Declaração Universal dos Direitos Humanos, juntamente com nossa Constituição Federal, asseguram a liberdade de expressão e de fé religiosa para todos, que devem ser tratados igualmente perante a lei. 
          Em uma nação onde o catolicismo é maioria, o que é minoria se torna diferente e mal recebido. Porém, devemos lembrar que são essas diferenças que criaram e fortalecem nossa cultura tão diversificada. 
         É notável a falta de respeito que se deveria haver para os adeptos de cada crença e ateus. Para tal, se faz necessário educar as crianças tanto em ambiente doméstico quanto escolar. Os pais devem ensiná-las a respeitar as escolhas do outro e até permitir que façam as suas próprias. As bibliotecas das escolas deveriam incluir exemplares de diversas crenças para todos conhecerem. Ao Estado cabe fazer cumprir o que determina a Constituição Federal e punir com o rigor da lei os que a violarem. Ao cidadão cabe denunciar o ato e, claro, parar de dar tanta importância à religião e não ao caráter.

Dia 21 de janeiro é o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa.
Intolerância Religiosa é crime!  Foi vítima? Disque 100.


Leia aqui a Lei Nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989